Parceria leva boas práticas à cadeia produtiva do leite

Parceria leva boas práticas à cadeia produtiva do leite

Programa nacional é lançado em Brasília para garantir qualificação de produtores, transportadores e indústria.
Brasília - O Programa Alimentos Seguros para a cadeia produtiva do leite (PAS – Leite) foi lançado, na última quarta-feira (25), no auditório do Sebrae, em Brasília. A iniciativa é promovida em parceria entre o Sebrae, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), serviços de aprendizagem Rural (Senar) e Industrial (Senai) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O PAS Leite é o quarto programa de desenvolvimento de cadeia produtiva do setor primário. Antes dele foram lançados o PAS uva, açaí e mel. O PAS Leite pre vê ações de formação em boas práticas para produtores, transportadores e indústrias.
O presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae e da Federação da Agricultura de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões, lembrou que a cadeia produtiva leiteira envolve mais de cinco milhões de propriedades rurais de diversos tamanhos em todo o país. Segundo Simões, “o PAS Leite contribui para que os produtores ajustem suas atividades à legislação, garantindo emprego e renda no campo”.
O ministro interino da Agricultura, José Carlos Vaz, destacou a importância dos programas que garantem a melhoria da qualidade dos alimentos e ao mesmo tempo promovem o crescimento econômico do setor rural. “Cada vez mais esses programas reforçam a cidadania e a capacidade de construção do nosso povo”, declarou Vaz, que representou Mendes Ribeiro Filho, o titular da pasta, que está em viagem ao Chile.
O presidente do Sebrae, Luiz Barretto, lembrou a importância da parceria entre os órgãos públicos e privados para a difusão do Programa Alimentos Seguros do Leite em todas as propriedades. “É um esforço de país”, disse. Segundo Barretto, a indústria leiteira terá papel de destaque na indução das boas práticas de produção. Ele defendeu o aumento da remuneração aos produtores que aderirem ao PAS. O presidente disse ainda que a instituição subsidiará até 70% dos custos do Sebraetec (Serviços em Inovação e Tecnologia), capacitação a ser oferecida aos participantes do programa. “O PAS Leite já foi testado em cinco estados com resultados positivos na melhoria da qualidade do leite produzido”, afirmou Barretto.
O presidente da Cooperativa Agropecuária de Araxá Ltda (COPAL), de Minas Gerais, Alberto Adhemar do Valle Jr., integrou o projeto-piloto do PAS Leite. Ele conta que, após a implantação do programa, houve melhoria na produtividade e na qualidade da matéria-prima. Para Valle Jr., medidas como a melhoria das estradas e da infraestrtura de transportes, aliadas a boas práticas dentro das propriedades, vai garantir leite de qualidade para o consumidor.
Segundo o diretor da Embrapa Gado de Leite, que fica em Juiz de Fora (MG), Dirceu Vilela, em 2010 foram analisadas, em um único laboratório, 500 mil amostras de leite. Desse volume, 43% apresentavam inconformidade sanitária. “A indústria tem de estar ao lado do produtor para que o programa siga em frente. É a indústria que precisa estimular o produtor”, defendeu o diretor da Embrapa.
O consumo de leite por pessoa no Brasil é de 165 litros por ano e o volume de produção, 32,2 bilhões de litros. Mas segundo o diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Leite Longa-Vida, Nilson Muniz, 30% dessa produção não são fiscalizados. “Isso ocorre porque boa parte dos produtores está na informalidade. O PAS também tem o papel de jogar luz sobre eles”, explicou.
O PAS Leite será implantado em todo o país. Indústrias, cooperativas, associações, grupos e produtores que tiverem interesse em aderir ao programa deverão entrar em contato com o Sebrae, Senar, Senai ou a Embrapa – Gado de Leite.
Fonte: Pantanal News, adaptado pela Equipe Milknet
30/07/2012